Número total de visualizações de página

sábado, 17 de janeiro de 2009

Loulé: Grupo Lágrimas quer construir hotel SPA subterrâneo

O Grupo Lágrimas está a negociar com a CUF - Químicos Industriais - a construção do hotel e SPA subterrâneo mais profundo do mundo na Mina de Sal-Gema de Loulé, disse hoje à Lusa o presidente daquele grupo hoteleiro.
Segundo Miguel Júdice, que ao final da manhã de hoje, visitou a mina pela primeira vez, os 38 quilómetros de galerias escavadas a 230 metros de profundidade - o equivalente a 75 andares -, num maciço de sal-gema com cerca 16 quilómetros de diâmetro, oferecem «todas as condições» para aí construir um hotel.

«Tem todas as condições, não só porque é um espaço diferente, como permite conceber um hotel temático como não existe no mundo», disse Miguel Júdice à Lusa. O investimento deverá rondar os 10 milhões de euros e prevê que a unidade hoteleira tenha entre 26 e 40 quartos, além de um SPA com tratamentos à base da sal-gema.

Segundo Pedro Salinas, director da CUF, «existe já um grande número de visitantes, que procuram actualmente a mina devido às propriedades benéficas do seu ar». São especialmente pessoas com doenças respiratórias.

Para comprovar as propriedades terapêuticas, Miguel Júdice chegou mesmo a recolher uma amostra do sal da mina «para testar tratamentos de SPA e o seu eventual uso na gastronomia».

Segundo os responsáveis da CUF, o Grupo Lágrimas é, para já, o mais interessado na concessão hoteleira, embora outras cadeias estejam também na corrida. O hotel insere-se na estratégia de viabilização do complexo mineiro através do Turismo, que inclui ainda a criação de um museu industrial e um arquivo documental «de altíssima segurança», tudo debaixo de terra.

Pedro Salinas adiantou que, para a concretização do segundo projecto, «estão no bom caminho» as negociações com a empresa norte-americana Underground Vaults & Storage, Inc., que acredita poder oferecer aqui serviços de arquivo a preços 10 vezes mais baixos do que num edifício convencional.

«A 230 metros não existe humidade, a temperatura é constante, a sismicidade praticamente não é sentida, não há insectos e a segurança é muito elevada», fez notar, sublinhando as poupanças de energia que tais condições naturais permitem.

No projecto participa também a Câmara Municipal de Loulé que assinou hoje um protocolo com a CUF para a viabilização da vertente turística. A autarquia, juntamente com o Grupo detido por João de Mello, vai investir quase oito milhões de euros na requalificação do espaço à superfície e na criação de um centro interpretativo.

A Mina de Sal-Gema de Loulé opera há 40 anos, tendo produzido cerca de 100 mil toneladas de sal por ano até 2005, altura em que a CUF centrou a produção na Figueira da Foz. Hoje, a mina produz entre 10 e 40 mil toneladas anuais, a maior parte destinada às operações de degelo nas estradas da Europa e à indústria de rações para animais.

A autarquia e a CUF esperam estar em condições de candidatar o arrojado projecto ao financiamento comunitários, «uma vez que se trata de uma área de baixa densidade», sublinhou Seruca Emídeo, presidente da Câmara de Loulé.

Diário Digital / Lusa

Sem comentários:

Enviar um comentário

Pesquisa personalizada