Número total de visualizações de página

segunda-feira, 23 de abril de 2007

Artrose da base do polegar » Mãos quase incapacitadas

Artrose da base do polegar » Mãos quase incapacitadas

Paula Cravina de Sousa
Data: 2006-11-21

Cerca de 30% da população feminina portuguesa sofre de artrose da base do polegar. A má notícia é que a doença não pode ser travada. A boa é que menos de duas horas de cirurgia podem resolver o problema.


Gestos simples, automáticos e mecanizados, tão habituais que nem damos por eles. A verdade é que a maioria das pessoas nem sempre dá a atenção devida às mãos e só se lembra quando já não é possível levar a cabo as tarefas habituais.

«Sempre tive problemas de ossos.» Teresa Silva começa, assim, a descrever os longos anos em que esteve presa a uma doença que lhe dificultava o seu desempenho no dia-a-dia. Uma menopausa precoce, aos 29 anos, sentenciou-lhe anos de problemas ósseos e com eles chegou a artrose carpometacarpiana do polegar, ou artrose da base do polegar, como também é conhecida.




«Tenho muitos problemas na coluna e tinha artroses nos dois polegares», comenta Teresa Silva.

O problema começou a revelar-se cada vez mais difícil de suportar:

«Não conseguia dormir, acordava com as dores, deixava cair as coisas, o mais pequeno esforço dava-me dores horríveis. Não conseguia sequer escrever. E o problema depressa alastrou ao braço inteiro e estava a atrofiar os nervos.»

Teresa trabalha no ramo da estética e as dores provocadas pela artrose na base do polegar acabaram por afectar o seu desempenho.

«Tinha a mão quase fechada, já quase não a conseguia abrir, os movimentos ficaram muito limitados e isso prejudicou-me no trabalho», conta.

Os receios e medos inerentes a uma intervenção cirúrgica fizeram com que adiasse a decisão e suportasse as dores.

«Pensei que as mãos iam ficar com mau aspecto e que ia ter aquele mal-estar depois da operação. Como tenho outros problemas de ossos e já passei por oito operações, pensava que sabia como era», afirma.

Antes de se submeter à intervenção cirúrgica, Teresa consultou vários médicos, quis ouvir a opinião de diferentes especialistas. O seu caso era um pouco mais grave, uma vez que o braço também estava afectado.



Cirurgia rápida, resultados eficazes

Menos de duas horas de cirurgia acabaram com os problemas e as dores de anos. Teresa ficou tão contente com os resultados que decidiu operar a outra mão menos de dois meses depois. A primeira cirurgia foi feita no final do mês de Janeiro, a segunda a 14 de Março.

Teresa Silva garante que os resultados não podiam ser melhores: «Não tive aquele mal-estar que pensava que ia ter depois da operação, as mãos ficaram bonitas, a cicatriz está pequenina e a recuperação está a correr bem.»

Relativamente à cirurgia, consiste em remover total ou parcialmente o trapézio, osso afectado pela artrose, e interpor um tendão, fazendo a reconstrução ligamentar da base do metacárpio.

O trapézio é destruído pela artrose, o que vai fazer com que o primeiro metacárpio provoque atrito com o trapézio. Estes dois ossos do polegar «roçam» um no outro, originando dor e inflamação.

O trapézio é retirado e o tendão é enrolado e colocado de modo a preencher o espaço entre o primeiro metacárpio e o escafóide, como que substituindo o trapézio, servindo também para fazer a reconstrução ligamentar ao nível da base do primeiro metacárpio.

Deste modo, a dor e a inflamação desaparecem e o doente pode voltar à sua vida normal. Em lugar do tendão, podem ser utilizadas próteses de silicone ou de pirocarbono para substituir o trapézio.

Ao fim de 15 anos de prática deste tipo de cirurgia, o Dr. Mota da Costa, cirurgião plástico dedicado ao sector de cirurgia da mão e médico integrado na Unidade de Ortopedia e Traumatologia do hospitalcuf descobertas, garante que nunca teve um caso de rejeição.

«O único caso mais complicado passou-se com uma paciente que partiu as próteses de silicone numa queda. Acabámos por substituir as próteses pelo tendão. Este é o material com que prefiro trabalhar por ser autólogo, isto é, pertence ao indivíduo», comenta o especialista.

A cirurgia é realizada em ambulatório e requer, apenas, uma anestesia local, conhecida como do plexo braquial.

«Estive lúcida o tempo todo, soube sempre o que se estava a passar», recorda Teresa Silva.

O tempo de cirurgia é, também, muito diminuto. Em hora e meia de intervenção, o doente sai do bloco operatório com a cirurgia feita. Pouco depois é-lhe dada alta do hospital, o que possibilita uma recuperação mais «caseira». Algumas consultas posteriores bastam para dar conta da evolução e recuperação do paciente.

Após a cirurgia, o doente tem de estar cerca de quatro a cinco semanas com o polegar imobilizado por talas. Pode parecer muito tempo, mas a verdade é que se trata de um pequeno passo, para quem esteve anos com os movimentos limitados. Depois deste período, inicia tratamentos de reabilitação, normalmente durante três meses.

Mota da Costa afirma que «o doente fica sem vestígios de intervenção e da artrose seis meses após a operação».

Teresa está, neste momento, a desenvolver tratamentos de reabilitação física na primeira mão a sofrer intervenção cirúrgica e tem a segunda mão imobilizada com uma luva de gesso. Confessa que ainda não leva uma vida normal, uma vez que as operações são muito recentes.

Mas, segundo Teresa, «os resultados são claramente positivos, apesar de ser um pouco desconfortável ter a mão imobilizada. Já não tenho dores, já consigo dormir à noite, a cicatriz praticamente não se vê e as mãos estão bonitas, sem as deformações que tinha antes».

As listas de espera nos hospitais públicos para este tipo de cirurgia são bastante longas, o que faz com que os utentes estejam a recorrer cada vez mais aos serviços de saúde privados.

O cirurgião do hospitalcuf descobertas assegura que «as pessoas procuram cada vez os privados, sobretudo aqueles que possuem seguros de saúde».



Teresa Silva faz parte da massa que opta pelos privados.


O que é a artrose da base do polegar?

Artrose carpometacarpiana do polegar, rizartrose ou artrose da base do polegar são designações para uma alteração degenerativa que leva à destruição osteoarticular entre a base do primeiro metacárpio e o trapézio. Isto significa que um dos ossos do polegar é danificado ou destruído.

O osso danificado é o trapézio e, como consequência, o primeiro metacárpio e o trapézio provocam atrito, o que provoca dor. Daí a necessidade de retirar o trapézio, na sua totalidade ou parcialmente, e entrepor o tendão ou a prótese entre o escafóide e o primeiro metacárpio.

As mais afectadas pela doença são as mulheres em fase pré ou pós-menopausa. É perto dos 50 anos que se dão as primeiras manifestações da doença.

Segundo Mota da Costa, «a relação de incidência de rizartrose entre sexos é de cerca de 90% para as mulheres. As autoridades médicas estimam, ainda, que cerca de 30% das portuguesas são afectadas pela doença».

Os primeiros sinais nem sempre são levados em conta. A dor no polegar, o inchaço, a dificuldade de movimentos são, normalmente, menosprezados.

Em casos mais graves e em estádios mais avançados, as pessoas podem sentir grandes dificuldades. Apertar um botão de uma camisa, descascar batatas, rodar a maçaneta da porta de casa ou carregar no botão do elevador podem revelar-se tarefas impossíveis de executar. No extremo, o problema pode levar à incapacidade laboral.

Mota da Costa alerta para a importância do diagnóstico precoce. Numa fase inicial, o tratamento é feito com anti-inflamatórios, para que a doença possa evoluir o mais lentamente possível. No seio da classe médica não se fala em anti-inflamatórios como modo de travar a artrose, mas sim num contexto de progressão lenta.

«A artrose da base do polegar não estagna. A única terapêutica capaz de pôr termo à doença é a cirurgia», refere o nosso interlocutor.

Há procedimentos que são desaconselhados antes da cirurgia. Muitos pacientes recorrem a tratamentos de reabilitação física como forma de minorar as dores. No entanto, o médico alerta para os perigos deste comportamento:

«Os tratamentos de reabilitação não devem ser feitos antes da cirurgia.

O único efeito que têm é piorar a situação. Deve fazer-se o possível para não esforçar a mão e, se possível, imobilizá-la com talas, mesmo no início da doença.»

Aquela terapêutica vai esforçar os ossos danificados, aumentar a dor e acelerar o processo de desenvolvimento da artrose. O que à partida parece e pretende ser de reabilitação pode transformar-se em destruição óssea.

Teresa Silva não foi excepção e tentou vários tratamentos, antes de recorrer à cirurgia.

«Tentei de tudo para acabar com as dores. Parafina, acupunctura, nada resultava. Até que decidi avançar para a cirurgia», menciona a nossa entrevistada, que também tentou os tratamentos de reabilitação, mas foi desaconselhada a fazê-los pelo médico.

«Ainda não foram encontradas justificações plausíveis para o aparecimento da rizartrose», comenta Mota da Costa.

Os médicos vêem, assim, o seu trabalho dificultado, uma vez que dispõem de poucos instrumentos para combater a artrose da base do polegar. A cirurgia é, ainda, o único tratamento definitivo e o mais eficaz ao eliminar a fonte de dor, o trapézio.



Sintomatologia

Alguns sintomas da artrose da base do polegar:

- Dor;

- Inchaço;

- Deformação saliente do polegar na direcção do lado dorsal;

- Incapacidade de fazer movimentos de rotação do polegar e de fazer movimentos de pinça.





Fonte: Medicina & Saúde®

Sem comentários:

Enviar um comentário

Pesquisa personalizada